Perda Auditiva Induzida Por Ruído: uma doença ocupacional

Compartilhe:

Assine nossa newsletter

Uma das doenças mais frequentes na população trabalhadora é a perda auditiva relacionada ao trabalho, que está presente em diversos ramos de atividades. Hoje vamos falar sobre a Perda Auditiva Induzida Por Ruído (PAIR), uma Doença Ocupacional.

Variações sonoras no trabalho podem causar Perda Auditiva Induzida Por Ruído

O assunto é sério e o trabalhador precisa estar atento, pois o sistema auditivo humano é muito sensível às alterações da frequência sonora. A variação e a intensidade e, especialmente, a exposição constante ou exagerada dos ruídos sonoros podem causar lesões temporárias ou permanentes. 

Os trabalhadores mais propensos a apresentarem Perda Auditiva Induzida Por Ruído (PAIR) trabalham nos ramos da siderurgia, metalurgia, gráfica, têxtil, construção civil, agricultura, transportes, telesserviços, entre outros.

Ambientes laborais, com exposição contínua a ruídos e barulhos intensos sob Nível de Pressão Sonora (NPS) acima de 85 dB (decibéis) por oito horas diárias regularmente, aumentam significativamente os riscos de o trabalhador prejudicar sua capacidade auditiva ou perder completamente a audição.

Perda Auditiva Induzida Por Ruído: Efeitos indesejáveis à saúde

Além da perda da capacidade de ouvir, o ruído causa vários efeitos indesejáveis à saúde dos indivíduos expostos, como zumbido, aumento da pressão arterial e da frequência cardíaca, insônia, estresse e irritabilidade.

Os trabalhadores que atuam em ambientes laborais com ruídos são amparados pelas Leis Trabalhistas.

A Norma Regulamentadora número 07 (NR-07) determina que todos os trabalhadores com exposição a ruídos acima de 85 decibéis (dB) devem ser submetidos a exame de audiometria no momento da admissão. Esse teste deve ser refeito seis meses após a entrada no emprego e depois, anualmente, a partir de então. O empregador deve fornecer os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) adequados.

Tipos de Perda Auditiva Induzida Por Ruído

Os principais tipos de Perdas Auditivas são: a Perda Auditiva Condutiva, Neurossensorial e Perda Auditiva Mista. Vamos detalhar cada uma delas para que você compreenda melhor.

Na Perda Auditiva Condutiva, como o próprio nome diz, o problema está na condução do som. Pode ser reversível em muitos casos. Ocorre quando o tímpano foi perfurado, em malformações da orelha, e até mesmo por obstrução por cera, por exemplo.

Na Perda Auditiva Neurossensorial o problema está no ouvido interno, com dano parcial ou total, das células sensoriais. Ocorre por exemplo em casos de alterações congênitas (desde o nascimento), exposição a sons muito intensos e envelhecimento natural do ouvido.

Já na Perda Auditiva Mista há uma combinação de Perda Condutiva e Neurossensorial. A alteração na condução do som pode ser reversível, mas geralmente o problema sensorial é permanente. Ocorre por exemplo em casos de infecções de ouvido crônicas e traumatismos.

Perda Auditiva Induzida Por Ruído
Perda Auditiva Induzida Por Ruído (Foto: Freepick)

Direitos do Trabalhador

Quando a perda auditiva ocorre pelas condições do ambiente de trabalho, o trabalhador tem direito à indenização. Mas, é necessário um laudo técnico que demonstre a perda da capacidade auditiva e comprove que ela não é de natureza congênita ou degenerativa.

Como todo e qualquer trabalhador vítima de acidente ou doença decorrente do processo de trabalho, o portador de PAIR relacionada ao Trabalho, deve ter seus direitos trabalhistas e previdenciários assegurados.

Todo caso deve ser notificado (Portaria Nº 1.984, de 12 de setembro de 2014). A notificação no SUS deverá ser realizada nas Unidades Sentinelas Notificadoras de PAIR, e à Previdência Social, por meio de abertura de Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT). Assim, mesmo sem a necessidade de afastamento do trabalho, o que ocorre na maioria dos casos, deve ser emitida a CAT (Comunicação de Acidente de Trabalho) para que haja o registro do adoecimento relacionado ao trabalho junto à Previdência Social.

O trabalhador com perda auditiva pode receber auxílio-doença caso a condição se torne incapacitante para o trabalho, e ser afastado por período superior a 15 dias. Nessas condições, ele tem assegurada a estabilidade de um ano após o retorno ao trabalho.

Prevenção e Diagnóstico

É fundamental que o diagnóstico de PAIR seja precoce para evitar o agravamento da perda auditiva que o trabalhador apresenta. Realizando exames de audiometria com frequência é possível fazer uma busca ativa de novos casos no mesmo ambiente de trabalho.

A avaliação clínica realizada de forma interdisciplinar pelo médico do trabalho, o otorrinolaringologista e fonoaudiólogo, é fundamental para o diagnóstico e planejamento terapêutico adequado dos casos.

Para prevenção da PAIR as empresas devem adotar o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais), o PCA (Programa de Conservação Auditiva) e o PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional).

Prevenção e Diagnóstico da Perda Auditiva Induzida Por Ruídos

A Perda Auditiva Induzida Por Ruídos (PAIR) é um dos mais frequentes riscos ocupacionais. Por isso, é importante tomar os cuidados necessários para evitar esse problema no ambiente de trabalho garantindo a segurança e proteção dos trabalhadores. É obrigação da empresa contratante. Mas, se a empresa não cumpre com suas obrigações, cabe ao trabalhador exigir. Conhecendo seus direitos, fica bem mais fácil garanti-los.

No Facebook e no Instagram do escritório também produzimos conteúdos pra te manter informado sobre seus direitos como trabalhador.

Contato:

Buscar:

Posts mais recentes:

Fale com um especialista:

Fale com a Dal Piaz