Indenização para trabalhador acidentado em corte de árvores

Compartilhe:

Assine nossa newsletter

Em caso ocorrido no Vale do Aço, em Minas Gerais, um homem que foi atingido por um eucalipto na cabeça durante serviço de corte de árvores receberá indenização de R$ 137 mil por danos morais e materiais. O trabalhador contou que, devido à pancada ocasionada pelo acidente de trabalho, passou a sentir fortes dores de cabeça, sensibilidade a ruídos, agravamento da perda da visão e perturbações psicológicas, sendo necessário o acompanhamento psiquiátrico. A decisão é da 2ª Vara do Trabalho de Coronel Fabriciano.

Indenização para trabalhador acidentado em 2019

O acidente foi registrado no dia 04 de abril de 2019. Em seu relato, o trabalhador acidentado disse que trabalhava em equipe no serviço de corte de eucaliptos com uso de motosserra e foi surpreendido pela queda da árvore que atingiu a sua cabeça. O outro empregado que realizava o corte não estava preparado com treinamento para prática da atividade.

O empregador alegou que o acidente ocorreu por imprudência, por não obedecer a distância de segurança que é de no mínimo 50 metros entre os operadores. Segundo a defesa, ele assinou, inclusive, um manual de segurança de trabalho para operador de motosserra.

Na versão empresarial, na hora do acidente, o empregado estava conversando com outro, fora do posto de trabalho, e, por isso, sofreu o acidente. A defesa confirmou ainda que ele recebeu todos os EPIs para o exercício da atividade. Finalizou alegando que “nenhuma medida de segurança adotada seria capaz de impedir o acidente, que decorreu de um ato voluntário e culposo”.

Incapacidade laboral apontada pela perícia médica é considerada na indenização para o trabalhador

A perícia médica apontou que o acidente gerou uma redução de 28% na capacidade laboral do trabalhador acidentado. Além disso, houve dano estético conforme a tabela as Susep.  “Isso considerando que não foram abolidas, por completo, as funções do membro lesado (olho esquerdo), e que o déficit visual apresentado não tem correção”, disse o perito, concluindo ainda pela aptidão para o trabalho.

Porém, ao decidir o caso, a juíza Cláudia Eunice Rodrigues concluiu que a empregadora não provou que o profissional estivesse fora do posto de trabalho no momento do acidente, e, portanto, violando a norma de segurança que estabelece uma distância mínima de 50 metros entre os empregados.

“Não precisa ser nenhum especialista em engenharia para saber que a atividade que o trabalhador desenvolvia era de risco de acidente. Ainda assim, a empregadora não adotou todas as medidas de segurança, para impedir a ocorrência do acidente e afastar a presunção de culpa estabelecida”, pontuou a magistrada, descartando a culpa exclusiva da vítima e o cometimento de ato inseguro, como alegou a defesa.

Justiça considerou ambiente de trabalho inseguro

De acordo com o Tribunal Regional do Trabalho 3ª Região Minas Gerais, empregadora não juntou aos autos o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais), o PCMSO (Programa de Controle Médico e Saúde Ocupacional) e o LTCAT (Laudo Técnico das Condições Ambientais de Trabalho). 

No entendimento da julgadora, essa omissão faz presumir que o trabalhador estava exposto a riscos capazes de afetar a saúde dele. “Aliás, a empregadora sequer alega a existência de tais programas. É uma afronta ao disposto no artigo 157 da CLT”, enfatizou a magistrada, reforçando que não restou comprovada a alegação defensiva de que o empregado recebeu treinamento para executar aquela tarefa.

Para a juíza, incide, no caso, a responsabilidade objetiva, considerando o grau de risco que a própria atividade representava, responsável pelas condições altamente perigosas e inseguras do trabalho. “Reconheço, assim, a responsabilidade da empregadora pelo acidente, configurado o nexo causal entre o acidente e o trabalho”. A juíza determinou, então, a indenização por danos morais em R$ 30 mil.

Indenização para trabalhador

Indenização para trabalhador acidentado

A magistrada entendeu que é flagrante a limitação parcial e irreversível que sofreu em decorrência do acidente. “Neste caso, é plenamente cabível a fixação de pensionamento, uma vez que ele não poderá exercer suas atividades como antigamente, como aliás se denota do próprio teor do laudo pericial”.

A julgadora fixou, então, em R$ 107 mil a reparação por danos materiais relativa à redução parcial e definitiva da capacidade laborativa, sem prejuízo do recebimento do benefício previdenciário ou de engajamento em outra atividade remuneratória.

Além do empregador, a juíza reconheceu a responsabilidade subsidiária dos dois donos da fazenda e da fábrica beneficiada com a madeira pelo pagamento das parcelas deferidas ao trabalhador atingido. Dados do processo mostraram que todo o eucalipto cortado na fazenda era destinado a uma indústria produtora de celulose branqueada de fibra curta de eucalipto, situada no município de Belo Oriente. Em grau de recurso, os julgadores da Terceira Turma do TRT-MG confirmaram a sentença.

Fonte: Tribunal Regional do Trabalho 3ª Região Minas Gerais

Contato:

Buscar:

Posts mais recentes:

Fale com um especialista:

Fale com a Dal Piaz