Fraude patrimonial: proteja seus bens

Compartilhe:

Assine nossa newsletter

Casamentos começam e terminam, vínculos se desfazem e cada um segue sua vida. Mas quando essa união envolve bens patrimoniais é que tudo pode complicar. Geralmente, com a separação, alguém sai lesado de seus direitos. É o que chamamos de fraude patrimonial. Porém, é possível se proteger desse transtorno com atitudes simples. Assim, caso o divórcio aconteça, tudo pode acabar bem e sem prejuízos para os cônjuges envolvidos.

Fraude patrimonial
(Foto: Freepik)

Pacto pré-nupcial

Pacto pré-nupcial pode até parecer coisa de novela ou de gente derrotista que já se casa pensando em separar. Todos esses preconceitos tornam o assunto um tabu, mas a verdade é que esse tipo de acordo nada mais é que um planejamento financeiro no caso de uma eventualidade, podendo facilitar a vida de quem possui aplicações financeiras anteriores ao casamento ou pretende adquirir bens ao longo da vida.

É um acordo contratual entre o casal antes do casamento e que estabelece previamente as condições relacionadas a um possível divórcio e também regras para convivência. Porém, se este não foi firmado antes da união, não se preocupe, há outros caminhos para evitar a fraude patrimonial em caso de divórcio.

É possível identificar fraude a patrimonial

Um sinal básico de que poderá acontecer uma fraude patrimonial é quando somente um dos cônjuges tem acesso às contas bancárias (ainda que conjuntas) e administração dos bens e não passa informações sobre eles ao outro cônjuge. Muitas vezes, são tomadas decisões unilaterais a respeito da compra/venda e frutos do patrimônio do casal, além de controlar todos os bens, inclusive os que são de posse/uso exclusivo de uma das partes.

A fraude patrimonial é comum nas relações familiares, especialmente quando apenas um dos cônjuges trabalha fora enquanto o outro se dedica integralmente aos cuidados da família. Nestes casos, com o fim do relacionamento, muitos homens entendem não ser justo partilhar todos os bens, já que na sua concepção apenas o seu esforço contou para aquisição de patrimônio.

Porém, mesmo que houver indícios de fraude dentro do processo de divórcio e partilha, para a defesa da parte lesada, é possível requerer algumas medidas como:

  • Cópia da movimentação bancária e das declarações do imposto de renda;
  • Exibição da escrituração contábil caso o cônjuge seja empresário.

A recusa em apresentar a escrituração pode implicar em confissão, além do arrolamento e indisponibilidade de bens dentre outras.

E tem mais, a existência de fraude na partilha pode gerar a obrigação de alimentos transitórios, sob pena de enriquecimento sem causa (art. 884 do Código Civil).

Nova partilha pode ser requerida

Se após a partilha (judicial ou extrajudicial) descobrir a ocultação de patrimônio, o cônjuge lesado pode ajuizar ação de anulação de partilha por vício no consentimento ou ajuizar uma ação requerendo a sobrepartilha. Fique atento, pois essas ações tem prazo.

Quando reconhecida a fraude ou a ocultação de patrimônio, uma nova partilha será feita, incluindo os bens ou valores que estão faltando no patrimônio conjugal.

Ainda que o divórcio seja “amigável” e ocorra pela via extrajudicial (somente no cartório) é imprescindível que a pessoa lesada esteja orientada e assistida por um advogado especialista de sua confiança, para que seja possível avaliar a possibilidade da ocorrência de fraude matrimonial e verificar quais medidas preventivas ou de urgência precisam ser tomadas para que a partilha seja efetivamente justa.

Vale lembrar que a violência patrimonial é um dos cinco tipos de violências combatidas pela Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006), já que normalmente as mulheres são as principais vítimas.

De acordo com o art. 24 da Lei 11. 340/2006 ( Lei Maria da Penha), para a proteção patrimonial dos bens da sociedade conjugal ou daqueles de propriedade particular da mulher, o juiz poderá determinar, liminarmente, as seguintes medidas, entre outras:

  • I – Restituição de bens indevidamente subtraídos pelo agressor à ofendida;
  • II – proibição temporária para a celebração de atos e contratos de compra\venda e locação de propriedade em comum, salvo expressa autorização judicial;
  • III – suspensão das procurações conferidas pela ofendida ao agressor;
  • IV – prestação de caução provisória, mediante depósito judicial, por perdas e danos materiais decorrentes da prática de violência doméstica e familiar contra a ofendida.

Fraude patrimonial: precaução evita dor de cabeça

A primeira regra para evitar que a fraude aconteça é preparar-se para o divórcio. Se o casamento não vai bem, não espere a ruptura da relação para começar a relacionar o patrimônio do casal.

Prepare um dossiê documentando todos os bens adquiridos pelo casal durante a união e guarde também documentos dos bens. Você não estará fazendo nada de errado, porque o patrimônio também é seu.

Outro detalhe importante: não transfira a responsabilidade de administração dos seus bens unicamente ao seu cônjuge. Se o seu cônjuge não deixar você saber o que e quanto possuem quando estão vivendo bem, você pode imaginar como será se um dia a separação acontecer.

Comprovação dos bens

Tudo que comprova a existência de bens e valores é válido para comprovar ou no mínimo ser um início de prova para o caso de uma ação judicial de partilha que alegue fraude no casamento. Por exemplo:

  • Fotos de tudo que possuem;
  • Vídeos das empresas;
  • E-mails que tratem de assuntos financeiros, imobiliário ou patrimonial;
  • Conversas de whatsapp que falam sobre transações financeiras ou sobre patrimônio;
  • Escritura dos imóveis que podem ser adquiridas nos cartórios de RGI;
  • CRLV dos veículos;
  • “Prints” das redes sociais que demonstrem o padrão de vida ostentado pelo casal;
  • Extratos bancários das contas pessoais e da empresa, de investimentos, passagens aéreas, ou seja, tudo que você conseguir poderá ajudar a comprovar o patrimônio real.

Se possível, converta em PDF, leve em cartório, transforme em ata notarial e guarde numa pasta em lugar seguro. E, principalmente, consulte um advogado especialista em direito de família para os procedimentos legais.

Acompanhe a Dal Piaz Advogados no Facebook e no Instagram para se manter informado sobre seus direitos.

Contato:

Buscar:

Posts mais recentes:

Fale com um especialista:

Fale com a Dal Piaz