Síndrome de Burnout, uma doença do trabalho

Compartilhe:

Assine nossa newsletter

Como você está se sentindo hoje? De uns tempos para cá, seus níveis de estresse têm aumentado muito? Tem notado que os esquecimentos estão mais frequentes? Está mais irritado que o normal? Está se sentindo ansioso e com falta de vontade para fazer coisas e antigamente te empolgavam? Cuidado! Isso pode ser um alerta importante de que você está desenvolvendo a Síndrome de Burnout, uma doença do trabalho.

Vigie o seu comportamento identificar uma possível doença do trabalho

Se você é um profissional bastante comprometido com sua função, exageradamente responsável e não suporta deixar nada para depois. Tudo tem que ser feito para ontem e da melhor forma possível. Além disso, acumula funções, não sabe dizer não, se preocupa com tudo, não perde prazos e não consegue nem imaginar a possibilidade de não cumprir as metas. Atenção, você é um potencial candidato a sofrer da Síndrome de Burnout, uma doença do trabalho, por isso você encontrar nesse texto outros fatores que podem te ajudar a identificar se você deve buscar ajuda profissional para tratar o distúrbio.

OMS reconhece a Síndrome de Burnout como doença do trabalho

A Síndrome de Burnout é um distúrbio psíquico caracterizado pelo estado de tensão emocional e estresse, provocados por condições de trabalho desgastantes. Também é conhecida como Síndrome do Esgotamento Profissional. O termo Burnout, na tradução direta, significa “perda de energia”, ou “queimar para fora”. E desde 1º de janeiro de 2022, a Síndrome de Burnout ou Esgotamento Profissional foi incorporada à lista das doenças ocupacionais reconhecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Trata-se de um mal silencioso, que chega aos poucos, mas vai dominando o paciente de tal forma que provoca enormes estragos. O médico de trabalho irá informar como CID 11 o diagnóstico de burnout para o trabalhador. A CID [e um sistema de códigos, criado pela OMS, utilizado no mundo todo para padronizar a linguagem entre os médicos, além de monitorar a incidência e a prevalência de cada doença.

A Síndrome de Burnout ou Esgotamento Profissional tem a ver com a sua relação com o seu trabalho. Em resumo, este distúrbio emocional se manifesta pelo excesso de trabalho, sobrecarga e, especialmente, pelo estado de tensão emocional e estresses crônicos provocados por condições de trabalho físicas, emocionais e psicológicas desgastantes.

Em outras palavras, significa que quando a bagagem emocional começa a pesar mais do que devia, o corpo sente as dolorosas consequências e a mente sofre um curto-circuito. Nestes casos, há direitos trabalhistas assegurados ao empregado diagnosticado com a CID 11

Burnout uma doença do trabalho

Quais os estágios e sintomas da Síndrome de Burnout?

Existem diversos sintomas que podem caracterizar a Síndrome de Burnout ou Esgotamento Profissional. Por isso, você não precisa sentir todos eles para ser diagnosticado com o distúrbio. Na maioria das pessoas, os sintomas aparecem de forma leve e vão piorando com o passar do tempo. Normalmente, os portadores da Síndrome de Burnout pensam que estão apenas cansados e que este “mal-estar” será passageiro. No entanto, o problema persiste e evolui rapidamente.

Fique atento aos principais sintomas:

Exaustão extrema, física e mental;

Dor de cabeça frequente;

Alterações no apetite: sentir mais ou menos fome;

Insônia;

Sentimentos de fracasso e insegurança;

Dificuldade para se concentrar;

Pensamentos negativos constantes;

Sentimentos de derrota e incompetência;

Desânimo;

Alterações de humor;

Aumento da pressão arterial;

Dores musculares;

Isolamento;

Alteração dos batimentos cardíacos e problemas no sistema gastrointestinal (estômago e intestino).

Portanto, ao sentir um ou mais dos sintomas listados, procure ajuda médica. Essa síndrome evolui muito rapidamente para casos severos de depressão e ansiedade.

Burnout uma doença do trabalho

O diagnóstico de Burnout

O diagnóstico da Síndrome de Burnout que é uma doença do trabalho reconhecida pela OMS, é feito por um profissional especialista, após uma análise clínica do paciente. O psiquiatra e o psicólogo são os profissionais de saúde indicados para identificar o problema e orientar a melhor forma de tratamento, conforme cada caso.

A Síndrome de Burnout não tem cura, mas tem tratamento. Geralmente o profissional da saúde indica que o paciente faça psicoterapia para poder identificar a causa geradora principal da síndrome e, assim, desenvolver mecanismos para vencê-la. Em casos mais severos, são ministrados antidepressivos e ansiolíticos para que a pessoa possa se sentir melhor.

Não há um período determinado para o tratamento. Esse tempo depende das possibilidades do paciente para modificar suas condições de trabalho e seu estilo de vida.

Alguns bons aliados podem auxiliar no tratamento como a prática de atividades físicas para aliviar o estresse diário, colaborando para o controle dos sintomas. Dar uma pausa no trabalho também é importante. Um período de férias, mesmo que breve, para passar mais tempo com familiares e amigos, sem compromisso com o relógio.

Você sabe qual é o seu limite emocional?

Atualmente e cada vez mais vivemos num ritmo alucinado que nos gera fadiga, estresse por tentar controlar tudo ao nosso redor. Principalmente em momentos caóticos, onde acabamos atropelando em nossos próprios sentimentos. É preciso compreender que não precisamos lidar com tudo a todo tempo, afinal, não somos máquinas. Que nem sempre vamos conseguir dar o máximo em todas as atividades. Que não estaremos com a mesma disposição todos os dias, e, especialmente, não vamos agradar a todos e, muito menos, conseguiremos abraçar o mundo. E, está tudo bem! Não tem problema nisso! A sua vida não pode perder o sentido. Ela tem que estar em primeiro plano e você no comando.  

Assista agora ao vídeo, em nosso Instagram, onde o advogado Gabriel Dal Piaz alerta sobre os riscos do burnout no ambiente de trabalho.

Contato:

Buscar:

Posts mais recentes:

Fale com um especialista:

Fale com a Dal Piaz