Professora dispensada de universidade é indenizada

Compartilhe:

Assine nossa newsletter

Abuso de poder diretivo institucional foi reconhecido pelo Tribunal Superior do Trabalho em caso envolvendo uma professora universitária que foi demitida de uma universidade privada em Guaramirim (SC). Segundo a Justiça do Trabalho, as circunstâncias do caso configuraram abuso de poder diretivo da faculdade, notadamente em razão da dificuldade que a professora teria de conseguir vaga em outra instituição de ensino, tendo em vista o início das aulas. A indenização fixada para a professora dispensada foi de R$ 30 mil.

Indenização para coordenadora de três cursos em universidade que dispensada antes do início do semestre

A professora era responsável pela coordenação de três cursos (Engenharia de Produção, Engenharia Química e Engenharia Elétrica) foi demitido em 17 de janeiro de 2019 durante o recesso escolar.

Na ação trabalhista, ela sustenta que a demissão a impediu de buscar uma nova colocação porque a instituição de ensino havia contratado professores para o semestre nesse período.

Segundo ela, de acordo com o calendário escolar, de novembro de 2018 a dezembro de 2018, a faculdade pediu que ela fizesse um cronograma para os cursos de engenharia química e engenharia de produção e marcasse o início do próximo ano. Portanto, a seu ver, a continuidade da relação de trabalho é uma expectativa razoável e, portanto, não buscou colocação em outras instituições.

E instituição particular de ensino, alegou que a dispensa ocorreu de forma respeitosa e também argumentou que a universidade tem autonomia didático-científica, administrativa e de gestão financeira, sendo desse modo que para casos indenizatórios seja necessário comprovar condutas indevidas ou culposas.

Professora dispensada irregularmente em início de semestre é indenizada no valor de R$ 30 mil

Segundo julgamento do TST, a despedida sem justa causa não caracteriza, por si só, ato ilícito ou abuso de direito. No caso, porém, a dispensa ocorreu quando a professora já tinha expectativa justa e real de continuar na instituição de ensino.

Nos termos da “teoria da perda de uma chance” (artigos 186 e 927 do Código Civil), a vítima, privada da oportunidade de obter certa vantagem, em razão de ato ilícito praticado pelo ofensor, tem direito a indenização pelo prejuízo material sofrido, ante a real probabilidade de um resultado favorável esperado

Por unanimidade, a indenização foi fixada em R$ 30 mil para a professora dispensada.

Fonte: Tribunal Superior do Trabalho

Contato:

Buscar:

Posts mais recentes:

Fale com um especialista:

Fale com a Dal Piaz