Planejamento Previdenciário: segurança para seu futuro

Compartilhe:

Assine nossa newsletter

As regras que envolvem os pedidos de aposentadoria no Brasil são burocráticas e complexas. Com as mudanças recentes, então, o melhor caminho é fazer um Planejamento Previdenciário. Com ele, um advogado especialista indicará o caminho mais seguro para encaminhar o pedido de seu benefício. Lembre-se: você deve fazer esse planejamento para a sua vida, portanto, não pode realizá-lo de qualquer jeito. Por isso, elaboramos esse conteúdo para você. Continue lendo. Encontrarás respostas importantes para tomar a melhor decisão.

 Planejamento Previdenciário, por que fazer? 

O Planejamento Previdenciário para o trabalhador minimiza erros e agiliza o encaminhamento do benefício. Para garantir a conformidade com as inúmeras regras do sistema previdenciário e da legislação, é fundamental que você mantenha a organização no recolhimento das contribuições e nos documentos trabalhistas. Além disso, quando o segurado busca o órgão responsável pelo benefício, é importante que ele já saiba quais são os seus direitos e o que deve esperar da sua aposentadoria no INSS. 

O processo de aposentadoria exige o cumprimento de uma série de requisitos, por isso, é necessário estar atento a cada um deles. Ele permite que o trabalhador se prepare para o futuro, contribuindo para receber a aposentadoria que planejou.

Planejamento Previdenciário, como fazer?

O Planejamento Previdenciário deve levar em consideração os seguintes aspectos: os tipos de aposentadoria, o tempo de contribuição, o valor da contribuição, a quantia desejada de benefício, o direito adquirido e se o trabalhador se enquadra em alguma Regra de Transição da Reforma da Previdência.

Além disso, os profissionais responsáveis pelo Planejamento Previdenciário avaliam conjuntamente questões como o fator previdenciário, levando em consideração a realidade do trabalhador. O objetivo é identificar as opções de aposentadoria aplicáveis ao caso e analisar as vantagens e desvantagens de cada uma delas.

Descubra como o Planejamento Previdenciário simplifica a aposentadoria no Brasil e encontre respostas essenciais para tomar a melhor decisão.
Planejamento Previdenciário. (Foto: Freepik)

O próprio site do INSS concede informações sobre o tempo de contribuição, entretanto, em muitos casos, os relatórios fornecidos pelo órgão são falhos, pois não apresentam todos os registros históricos do trabalhador. Para evitar perdas e garantir os direitos justos do segurado sugerimos o acompanhamento de um advogado especialista, que irá sanar eventuais irregularidades no cadastro nacional de informações sociais (CNIS), assim, não tem erro.

Na prática, o Planejamento Previdenciário nada mais é do que um estudo preliminar que aponta quanto tempo uma pessoa ainda precisa contribuir para a previdência social a fim de ter direito à aposentadoria. Além disso, esse estudo faz uma estimativa matemática que permite visualizar os valores dessas contribuições com o objetivo de definir qual será o montante recebido a título de benefício.

Como funciona o sistema previdenciário?

No Brasil, o Governo Federal administra a Previdência Social, na qual todos os trabalhadores com emprego formal são obrigados a contribuir, desde que estejam registrados com carteira assinada.

A Previdência Social utiliza os valores recolhidos mensalmente dos trabalhadores para pagar os benefícios daqueles que já estão aposentados, não funcionando como uma poupança individual como o FGTS. Dessa forma, o sistema se sustenta por meio das contribuições dos trabalhadores para garantir os pagamentos dos benefícios aos aposentados atuais.

Previdência Complementar Fechada

Por outro lado, a Previdência Complementar Fechada é patrocinada por associações de classe e empresas, não tendo finalidade lucrativa. A adesão a esse tipo de previdência é voluntária, ao contrário da previdência social, que é obrigatória.

Nesse tipo de previdência, as contribuições se caracterizam pelo regime de capitalização e são individualizadas. Dessa maneira, cada membro participante forma um patrimônio individual. Além disso, os planos variam, podendo ser na forma de benefício definido, em que o benefício é determinado no momento da adesão, ou de contribuição definida, em que o benefício é determinado somente no momento de sua concessão, com base no saldo acumulado pelo participante durante o período de contribuição.

Previdência Complementar Aberta

No caso da Previdência Complementar Aberta, instituições financeiras, como bancos, administram esses planos e cobram uma taxa de administração para gerenciar as carteiras dos membros. As contribuições se caracterizam pelo regime de capitalização e também ocorrem de forma individualizada, formando o patrimônio individual de cada participante.

Essa opção de previdência é vantajosa, porém muitos brasileiros não têm condições de aderir aos planos de Previdência Complementar Aberta.

A maior parte contribui apenas para a previdência social, não dispondo de qualquer outra fonte de previdência complementar. Essa situação demonstra a importância de estar atento a um bom planejamento previdenciário.

Planeje seu futuro

Realizar um Planejamento Previdenciário traz vantagens importantes em três aspectos fundamentais: aposentar-se no momento adequado, contribuir com o valor correto e receber orientação adequada quando chegar a hora de receber a aposentadoria. Para garantir esses benefícios, é essencial buscar o auxílio de um advogado especialista em Direito Previdenciário, evitando o risco de ficar desprotegido no futuro.

Siga o escritório no Facebook e no Instagram para ver mais conteúdos sobre Previdência.

Contato:

Buscar:

Posts mais recentes:

Fale com um especialista:

Fale com a Dal Piaz